GINÁSTICA RÍTMICA – CAMPEONATO PAN-AMERICANO – RESULTADO E COMENTÁRIOS

Terminou hoje a maior competição da América na nossa modalidade, e a última competição importante para o calendário deste ano. Com uma seleção completa na categoria juvenil e adulto o Brasil levou os principais nomes da GR no país, e volta para casa com algumas medalhas, alguns resultados sólidos, vários resultados inconsistentes e bastante coisa a ser trabalhada.

Vamos primeiro para os resultados, e depois os comentários.

Na categoria juvenil o Brasil não conseguiu nenhuma medalha, ficando em quinto lugar na competição por equipes e também no conjunto. As meninas do individual conseguiram entrar em três finais, Eduarda no arco, maças e fita, e a Amanda na final de maças, mas sem conseguir medalhas. Assim como o conjunto, que também participou das finais.

No geral, mesmo sem medalhas, as meninas competiram de forma regular nas finais, mas não foram tão bem nas provas classificatórias. Acredito que poderiam ter tentado alguns pódios, mas com a quantia de erros cometidos não se pode ir muito longe.

Na categoria adulta as brasileiras do individual tiveram um primeiro dia bastante abaixo das expectativas, mas conseguiram se recuperar para conseguir terminar em terceiro lugar na competição por equipes. Também conseguimos mandar duas ginastas para todas as finais, e Natália Gáudio, fazendo jus às oportunidades dadas este ano, conseguiu os melhores resultados para o país, com duas medalhas de bronze nas finais de arco e bola. Nas outras finais as meninas chegaram perto do pódio, mas não conseguiram ultrapassar as adversárias, infelizmente.

Já o conjunto fez uma competição louvável, todas as notas acima de 17, sem falar nos 10 em dificuldade – e a gente pode abrir uma discussão sobre a validade dessas notas em outras competições internacionais, mas o Brasil foi muito bem mesmo. Com o ouro no AA, mais o ouro do misto e a prata do simples, somos o melhor conjunto da América, de longe. Nas finais ocorreram aí algumas maquinações na mesa de arbitragem com as nossas notas, mas nada muito grave, e acho que no fim levamos bons resultados para casa e é o que conta.

Quem quiser acompanhar os resultados completos, é só clicar neste LINK.

Ali você tem tudo.

E os vídeos da competição brasileira podem ser vistos aqui NESTE CANAL.

Agora, para comentar a nossa competição começamos com uma pincelada sobre o time juvenil. Sendo uma seleção transitória acredito que os resultados foram até regulares, mas não posso deixar de me sentir frustrado por elas não terem feito uma competição melhor. Seria interessante uma  participação maior da comissão na hora de instruir as técnicas e fazer uma avaliação sobre a potencialidade das séries, porque não podemos sair a competir com séries que não estão bem adaptadas a esse código – e não que elas não estejam em geral, mas é preciso um cuidado grande com os passos de dança, as dificuldades de aparelho e os elementos de rotação nos riscos, que é onde as meninas tem perdido pontos importantes.

No geral as notas de dificuldade saíram baixas para nossas ginastas, e é preciso um estudo para ver o motivo de isto estar acontecendo.

Já nossa seleção adulta trouxe aí seis medalhas.

Aquelas com as cores mais brilhantes vieram com o conjunto, e os bronzes com a seleção individual – e isso é uma metáfora para a atenção que se dá para as duas partes da nossa GR.

As quatro meninas que representaram o Brasil em geral fizeram uma competição bem irregular do início ao fim. Nenhuma delas fez todos os seus aparelhos sem falhas, ainda que pelo menos tenham competido em alguma série com melhor execução.

Natália, como eu disse, fez valer a predileção da comissão por ela, ganhando as únicas medalhas individuais do time. Ela tinha potencial de ter conseguido mais, mas realmente não esteve fina na fase classificatória, e por mais que houve alguns protestos sobre o resultado da final da fita, por exemplo, temos que lembrar que as mexicanas estão se preparando com consciência para os próximos anos.

Elas estão auxiliadas por Efrossina Angelova, e o nome já diz tudo. Toda a seleção individual e de conjunto, júnior e adulto, desde a metade do ano tem tido auxílio dela, e é possível ver que esse trabalho tem surtido efeito, já que elas tiveram resultados mais expressivos que os nossos, e merecidamente.

As outras meninas da nossa seleção não competiram com tanto brilhantismo. Bárbara com bastante falhas, mas mesmo assim chegando em três finais e terminando em quarto nas maças, Mariany com uma final na bola, e duas apresentações no aparelho que foram bem corretas, e Karine, com uma série de arco com falhas e a de maças mais correta, mas não o suficiente para chegar a final.

Interessante notar que a primeira ginasta escolhida na seletiva foi a que teve os resultados menos expressivos este ano, quando Bárbara e Mariany, por exemplo, foram muito melhores nas competições frente a frente com Karine, e ainda assim ficaram em casa em uma competição como o Mundial. Da mesma forma que chegaram aqui no Pan-americano sem tanta experiência em competição, ou um estágio na Bulgária.

Isso não é uma crítica direta a Karine, que faz seu trabalho dentro da quadra da melhor forma possível, mas é necessário repensar a maneira como a seletiva foi feita – dois meses antes do mundial, de forma fechada, sem ter a pressão de uma competição. Se esses foram fatores determinantes para o desempenho delas, não sei, mas não se pode ignorar eles.

O que eu também não posso deixar de dizer aqui é que, além das escolhas não tão sensatas na hora de formar uma seleção, eu ouvi histórias de horror a respeito do Campeonato Brasileiro desse ano, com ginastas tendo suas notas seguradas para não serem ultrapassadas por outras, ginastas com mesma nota em séries com execuções bem diferentes, sem falar de problemas na arbitragem dentro da competição, culminando em um incidente desconfortável, e lamentável – afastamento de um árbitro da mesa.

Acredito que, como fã do esporte, se nós queremos um time forte e coeso, é necessária a participação de todos, e mais do que nunca, saber onde erramos. Saber aceitar as críticas.

Resultados falam por si mesmo, por isso eu venho aqui dizer que a escolha da Natália foi muito sensata para representar o Brasil – muitos sabem que ela não é a minha ginasta preferida – mas ela mostrou isso em seus resultados. Ao mesmo tempo, a demora da comissão em definir uma segunda ginasta para representar o Brasil privou a Bárbara de experiência internacional nessa temporada, por exemplo. Isso sem falar da Vitória Guerra, que participou da seletiva, mas dela nunca mais se ouviu em competições fora do Brasil, mesmo com a mudança da Heloísa para a seleção de conjunto.

E o que eu disse a respeito do juvenil vale aqui para as meninas do adulto, é necessário ter cuidado na hora de montar as séries, principalmente com os elementos de rotação nos riscos, as dificuldades de aparelho e os passos de dança. Teve ginasta com passos de dança com menos de oito segundos, ou com DAs atrapalhando os passos, ou elementos de rotação no final dos riscos que não valeram, e por aí vai. É esse tipo de trabalho de correção que a Camila fez no conjunto depois do mundial, e que nos renderam notas bem melhores.

Assim como para o time júnior é necessária uma participação maior da comissão, na seleção adulta isso é óbvio. Avaliações sazonais com as atletas, técnicas e as séries que estão em competição são mais que importantes. Se não podem ser feitas ao vivo, para que serve a tecnologia de hoje? Usá-la a favor do esporte, apenas.

Além disso, rotação das atletas nas competições, quem sabe até adiantar esse campeonato nacional para que não fique tão junto de outras competições importantes. Ano que vem já temos competição de equipes no mundial, e é preciso levar as ginastas mais consistentes, e que nos trarão as melhores pontuações – bem como é preciso inscrever elas corretamente para que não ocorra o que se passou em 2014.

Sem falar no Pan-americano em 2020, que é classificatório para Tóquio. Se fosse hoje, nós não teríamos uma ginasta individual na Olimpíada, e é preciso entender que o novo modo de classificação nos permite sonhar com isso agora. Mas, claro, ainda é cedo, e tanto a comissão como as técnicas tem tempo de trabalhar conscientemente para essas competições.

Agora é hora de ir pra casa, descansar, e então começar a planejar a próxima temporada. Mais do que nunca é preciso trazer os melhores resultados possíveis, especialmente com a ameaça de mais cortes no orçamento esportivo do Brasil. Não se pode sobreviver com um nono lugar nas Olimpíadas, ou com um 23º. Bem como não se pode deixar medalhas escaparem quando elas estão a nosso alcance. A missão é fácil? Não. Mas ela está proposta para todos da mesma forma, então é bom que o trabalho seja feito em conjunto, com um interesse único de alavancar a modalidade no país, e não de cada um trilhar seu caminho em busca do sucesso.

O melhor para todos!

=D

 

 

 

Anúncios

GINÁSTICA RÍTMICA – CAMPEONATO PAN-AMERICANO 2017 – COMO ACOMPANHAR

A partir de amanhã e até o domingo poderemos assistir a competição mais importante do nosso continente este ano. O Campeonato Pan-americano acontece simultaneamente para a disciplina da GR e para a Ginástica Acrobática, por isso temos que nos acostumar a uns dias de competição diferente.

O Brasil está enviando atletas em todas as categorias, desde o conjunto e individuais júnior – Eduarda Carvalho, Amanda Santos e Samara Sibin-, bem como o conjunto adulto e as individuais – Natália Gáudio, Bárbara Domingos, Karine Walter e Mariany Miyamoto.

Todos os resultados, informações, inclusive links para assistir estão na página oficial da competição AQUI. Mas eu já deixo aqui a LISTA DE PARTIDA, que está no horário da Flórida, bem como o cronograma da competição no horário de Brasília, logo abaixo:

  • Sexta-feira, 13/10
    10:30h – Individual AA Júnior e Equipes (Arco e Bola) (Brasil)
    14:30h – AA de Conjuntos Júnior e Adulto (5 cordas e 5 arcos) (Brasil)
    16:30h – Individual Adulto (Arco e Bola) Grupo 1
    19:30h – Individual Adulto (Arco e Bola) Grupo 2 (Brasil)
  • Sábado, 14/10
    10:30h – Individual AA Júnior e Equipes (Maças e Fita) (Brasil)
    14:30h – AA de Conjuntos Júnior e Adulto(10 maças e 3 bolas e 2 cordas) (Brasil)
    16:30h – Individual Adulto (Maças e Fita) Grupo 1(Brasil)
    19:30h – Individual Adulto (Maças e Fita) Grupo 2
  • Domingo, 15/10
    11:30h – Finais Júnior
    15:30h – Finais Adulto
    19:30h – Finais de conjunto

 

Vamos torcer pelas nossas atletas!

GINÁSTICA RÍTMICA – CAMPEONATO SUL-AMERICANO 2017

Na semana passada foi realizada a principal competição da América do Sul, reunindo cinco países e pouco mais de trinta ginastas. Foi a competição mais esquecida da confederação sul-americana, já que nem transmissão teve, mas eu estive procurando o máximo de informações para poder completar esse post aqui.

O Brasil, com uma delegação de nove atletas, foi o país com maios número de medalhas, o que era esperado. A única prova em que as brasileiras não levaram o ouro foi na final individual de arco, pois nos outros pódios, individuais ou de conjunto, o Brasil ficou com o ouro, além de outras medalhas do individual.

Natália Gáudio ficou com cinco ouros e uma prata, sendo um ouro da competição por equipes, mais três ouros da bola, maças e fita, e o ouro no individual geral. Mariany Miyamoto também teve muitas medalhas, entrando em cinco pódios também. Karine conseguiu o bronze nas maças.

O conjunto brasileiro também competiu regularmente. Com poucas chances de perder os ouros, levando em conta o baixo nível dos outros dois conjuntos, Argentina e Chile, as meninas cometeram erros em quase todas as séries, e ainda assim conseguiram bons resultados. Mas mesmo sem ter feito uma competição muito limpa, elas fizeram um bom papel, testando mudanças nas séries depois do mundial de Pesaro, e ainda conseguiram uma nota 10 de dificuldade, na final do conjunto de arco.

Aqui nós temos os vídeos das duas finais.

 

E neste link temos os RESULTADOS COMPLETOS.

Em menos de duas semanas as brasileiras estarão em Daytona Beach, Flórida, para o Campeonato Pan-americano, uma prévia do que será a disputa pelas vagas olímpicas, e teremos mais formas de acompanhar essa competição – que parece que vai ter transmissão ao vivo.

Até lá!

=D